Buscar
  • luishborba

Quase paixão

A mulher cochila, e o homem observa-lhe as costas nuas. São mais de três horas da manhã, e ele, de novo, com o dilema de tentar dormir com uma estranha em sua cama. Nunca consegue. O sofá é a opção, mas sempre amanhece dolorido quando dorme lá, por isso, o dilema. Tem ainda pouco sono. Na verdade, quer ficar observando por mais um tempo a pele clara da moça.

Paira-lhe a mão direita sobre três pintas na espádua esquerda. Tem impulso de lhe alisar a pele, mas receia que ela acorde.

A noite lhe parecera perdida. Na mesa com amigos, no bar, tentara beijá-la duas vezes. Ela virou o rosto em fala de negação, enfatizada pela mão na boca dele, a lhe silenciar vontades.

Ele estava um pouco alterado pela cerveja. Lançava-lhe as iscas das frases retiradas do samburá da paquera. Mas as frases afundavam no lago profundo da indiferença.

Até que uma frase fisgou a moça com o anzol do despertamento do interesse, emergindo-a para a clara superfície do desejo.

A moça, então, tomou-lhe o rosto com as mãos e o beijou - e suas línguas dialogaram o alongamento da noite.

Pescava as frases na aleatoriedade do desejo de conquista. Não se lembra qual trouxe essa clara pele pintada para sua cama; esses lábios, entreabertos pelo sono, tingidos apenas com traços do vermelho que os vestiam; o corpo, agora coberto pelo lençol, que ondulou e se contorceu em suas mãos.

Não há mais no quarto o calor que lhes aqueceu o sangue. Resta a quietude de roupas jogadas, a brisa da madrugada. Restam a moça e o gosto dela em sua boca.

Tem vontade de esticar o corpo ao lado do dela, envolvê-la para dormirem o mesmo sono - sente que hoje, talvez, dormisse.

Mas do sono compartilhado nasce o despertar juntos…

Levanta-se, pega um travesseiro, estica-se todo e faz uma careta em antecipação às dores que o sofá lhe trará.


4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch