Buscar
  • luishborba

A ordem das coisas

No exato momento em que um intervalo comercial termina, a TV apaga e a mulher salta na poltrona com um clarão que explode na sala, afugentando a penumbra - nuvens pesadas lentamente ofuscaram a claridade do dia. Logo após o clarão, o estardalhaço descontrolado do ar fugindo chacoalhou as janelas. A penumbra desce novamente sobre a casa.

Recuperada do susto, a mulher caminha até uma janela e olha o desespero com que a chuva cai do céu. A água se desgarra das nuvens em aflições de refugiados: enormes volumes desmancham-se apressadamente rumo a terra como se, a qualquer momento, fossem impedidos de escapar.

Em pouco tempo, a água, ansiosa, sobe sobre as próprias costas, solta-se estabanada rua abaixo em líquidas acrobacias, avoluma-se, cria enxurradas alimentadas pela correria cheia dos gritos molhados do líquido em fuga.

A mulher se espanta com a fúria desse domínio aquoso. O mundo quase submerso no aguaceiro, entregue ao temporal, rendido às vergastadas do vento carregado de chuva.

Vez ou outra, a penumbra é vazada pelas lambidas de luz dos relâmpagos - surgem e desaparecem como fortuito corpo a passar pela janela, um mensageiro a dissipar em luz e som o apocalipse do temporal.

Protegida, seca, a mulher tem o estranho sentimento de não pertencimento ao mundo. O silêncio ordeiro de sua casa isola a mulher dos corpos encharcados, dos restos largados na rua e que descem carregados em abraços pela água, apenas a umidade se assanha por entre frestas e fareja o ambiente.

A energia volta, a TV é novamente uma possibilidade.

E o mundo seco de daqui a pouco vai sair em imagens pela tela dizendo-lhe estar tudo bem, que a ordem das coisas habita também a sua sala.


4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch