Buscar
  • luishborba

Um canto na penumbra

Conforme a patroa caminha pela casa, a moça a acompanha dois passos atrás, na indecisão se continua a segui-la ou se espera a ordem para fazê-lo.

Vai ouvindo a descrição sobre cada um dos aposentos, e são tantos e largos que a voz da patroa vai ficando cada vez mais opaca, perdendo-se por entre as paredes, escondendo-se sob as mesas, cadeiras, esvaindo-se num vórtex ao ponto de, agora, tudo o que há é a boca da mulher se movendo - e ela nada escuta.

Somente quando a patroa para e a chama pelo nome é que ela volta a si, perdida dentro da maior casa que já viu.

Abaixa olhos e assente com a cabeça à pergunta “tá tudo bem?”. Os olhos da mulher sobre si têm um peso que a paralisa, e sua vontade é de se esconder em um dos vários cantos, que sobram pela casa.

“Vem que vou te mostrar o teu quarto”, diz a mulher.

Saem pela porta da cozinha, caminham por um corredor e, pelo simples fato de terem saído da casa, sente-se um pouco mais leve - até arrisca levantar a cabeça e olhar em redor.

Diante da porta do quarto, a patroa gira a maçaneta, dizendo-lhe em gesto que entre.

Uma cama colada à parede divide espaço com uma cadeira, um guarda-roupa de duas portas. O forro baixo e uma janela pequena criam a penumbra e o silêncio que a habita.

Antes de sair, a patroa lhe diz algo que ela não apreende, pois atenta aos detalhes do quarto: a parede descascada ao pé da cama, uma porta do guarda-roupa empenada, o cheiro que emana nos ambientes onde pouco chega o sol.

Senta-se na cama, coloca a bolsa ao lado. Pela primeira vez no dia, sente-se bem.

Gosta do quarto, do ambiente que lhe é familiar, pois é pequeno e simples.

Prefere isso à opulência de aposentos que há na casa.

Em seu minúsculo quarto, pode ficar à vontade com seus sentimentos - eles têm apenas um guarda-roupa com uma porta empenada para tentarem se esconder.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch