Buscar
  • luishborba

O passado é breve

A mulher desce do ônibus, hesita entre esquerda e direita, lê o endereço no envelope que tem em mãos, caminha rua acima, para. Pergunta a um homem, mostrando-lhe o endereço. Ele aponta na direção contrária, a mulher agradece, desce, olhando os dois lados da calçada.

Cinco minutos de caminhada a deixam diante da fachada de uma loja. Confere o nome no letreiro, arruma a blusa, olha as horas. Está meia hora adiantada.

A manhã é sinfonia de horas mesmas, soltas no vento frio que as carrega ao destino certo do fim do dia.

A mulher tem receio de se apresentar antes do horário marcado, olha em volta, procurando por um lugar onde possa esperar. Saíra de casa bem cedo: mora longe, os ônibus e o trânsito não se entendem, e as oportunidades de emprego não têm aparecido em fila para que sejam desperdiçadas.

A loja está aberta e quase vazia. Ameaça entrar, ficar olhando roupas que não lhe interessam, conduzir-se sem rumo em meio a ofertas gritadas em vermelho por cartazes filhos de todas as lojas, apenas deixar o tempo volitar sem peso em minutos desimportantes. Mas por algum incômodo sem rosto, resolve não entrar.

Encosta-se na vitrine, olha uns manequins despidos, vê uma mulher junto a eles, pano em mãos a lhes esfregar as carnes plásticas.

Algo lhe chama a atenção na mulher, que não a viu.

Examina-lhe as feições, as feições, as feições…e então um sobressalto: uma turbulência de seu passado está ali, a cuidar do chão, a limpar os manequins. O tempo bem castigou-a com peso, branqueou-lhe os cabelos, encheu-a de merecidas rugas - mas com certeza é ela.

Se contratada, terá de dividir vassouras, rodos, panos, manequins com quem julgava - e gostaria muito - que estivesse morta? Nem pensar…

O frio da manhã se esvai em calor de ira quando ela pensa que todos os dias cruzaria com aquela cobra, que lhe ouviria a voz. Mas há a súplica da carteira de trabalho há tantos meses vazia…Dane-se, pode esperar outra possibilidade na escassa fila de oportunidades de emprego.

Aperta o envelope com seus documentos, inspira o ar com força.

Entra na loja.


10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch