Buscar
  • luishborba

A memória dos peixes

O líquido horizonte era vasto - tão vasto quanto sua ignorância de viver num mundo líquido. Juntos, todos os peixes a viverem numa concordância inconsciente de que água é o nome que se dá ao que não se vê.

Havia tantos caminhos possíveis, tantas trilhas não demarcadas na vastidão salgada em que flutuava, cabiam distâncias do infinito, a derramarem-se em volumosa arquitetura líquida.

Por vezes, ventos aquáticos traziam uma turbidez a preencher-lhe o mundo de névoa, enchendo seus olhos sem pálpebras com leitosa visão a criar sombras.

Ao longo dos dias, nada mais lhe restava senão errar pelo espaço sob um céu também líquido, polvilhado por nuvens de espuma, que as marolas criavam. Restava-lhe aprumar-se contra as correntes e lhes dizer resistência no vigor de seu nado. Esperar as noites para dormir o sono torto dos olhos que não se fecham. E ainda espreitar os vizinhos, para escapar da visita definitiva de um predador.

Até que uma turbulência o fez ver-se num mundo estreito, em que um simples movimento de cauda era o bastante para atingir-lhe o fim - realidade dura a quem só convivia com o infinito.

E foram dias de escuridão nesse mundo restrito, como se o tempo, de repente, só se vestisse de noites.

Então, novamente a luz. De novo um espaço límpido, claro como jamais pareceu ser.

É certo que o recife está diferente, a vizinhança, desconhecida. Mas sabe-se lá o que pode acontecer depois de tantos dias de escuridão.

Volta a nadar com a mesma consciência de infinito. Logo, choca-se contra algo que não vê e não entende.

Assim como não entende como seu horizonte tornou-se difuso e habitado por sombras, das quais foge, pressentindo o perigo de novas turbulências.

Em pouco tempo, aprenderá que a longa escuridão levou o infinito embora.

E irá desejar que fosse verdadeira a curta memória dos peixes.


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch