Buscar
  • luishborba

A claridade dos santos

Puxa o ar duas, três vezes: “está feito…”, diz quase pausando em cada sílaba, as duas palavras saindo numa pastosidade a lhes marcar a concretude da convicção.

O homem a sua frente lhe pergunta o que é que está feito. Deve ser a quarta vez que lhe faz a mesma pergunta. Olha o estranho, mas seus olhos trespassam a figura que lhe é desconhecida. Não reconhece ainda o lugar em que está: um quarto com paredes claras, uma cama clara, uma poltrona clara - ele mesmo vestido com uma espécie de avental branco. Não tem interesse em perguntar onde está, não vê necessidade de responder ao desconhecido, que o encara com uma atenção de vigia.

O estranho pergunta de novo o que está feito, e dessa vez inclui o seu nome na pergunta.

Olha espantado para o homem que o conhece, tentando se lembrar do rosto imóvel do desconhecido que, em realidade, parece nem piscar.

Agrada-lhe a luz que entra pela janela, a amaciar a forma dos objetos, a deixar tudo com a claridade que já era esperada, agora que está feito.

Tem sede. Mas não quer interagir com esses olhos que não se desgrudam dele.

Olha ao redor e percebe-se deitado. Não havia reparado que estava deitado, e que ainda há uma agulha espetada em seu braço com um tubo fino e longo ligando-a a um frasco pendurado ao lado da cama.

Vira de lado na cama e ouve o homem lhe perguntar do que ele se lembra, dizendo mais uma vez o seu nome.

Não quer responder, mas pergunta a si mesmo do que se lembra.

A resposta é uma paz macia como a luz a entrar pela janela, uma paz cheia de braços a se revezarem em abraços.

Paz a lhe dizer de seu merecimento de um quarto claro, digno dos santos.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch