Buscar
  • luishborba

Caminho e passos

O caminho de terra é linha que se alonga e faz curvas e, se esticamos o pescoço, vemos que ele segue, entorta-se bem mais à frente, some.

Some no mesmo silêncio com que vai surgindo no horizonte que humanos passos perseguem. Nesse perseguir, o barulho da terra sendo pisada, vai dizendo ao caminho ser impossível a fuga, que o alongar-se nunca será o bastante a pés famintos.

À sua margem, árvores, moitas de capim, vegetação rasteira fazem-lhe companhia numa verde cumplicidade. Cercas marcam o limite do espaço da mata, da terra, que é seu corpo - limite respeitado mesmo quando mourões vacilam e caem, ao lhes faltarem o amparo dos farpados arames.

Sob o sol e todos os seus dias, sob todas as noites, vestidas ou não de lua, o caminho guarda todas as pegadas, que não lhe pedem licença para lhe cravarem marcas, para lhe ferirem feridas secas de sangue, para se misturarem umas às outras numa babel criada pelo mesmo e único som da terra pisada.

A languidez sinuosa com que se apresenta desconhece a fala dos séculos, desatenta que é aos murmúrios constantes do tempo: sua pele é congelado oceano de terra sem maré a lhe alterar o volume, a lhe renovar os grãos de um corpo, assim, imutável.

Sem os passos a lhe comprimirem o corpo, o caminho resta-se subidas e descidas e curvas numa dormência sobre o leito de si mesmo.

E são os passos que lhe despertam, as compressões sobre seu corpo o acordam do descompromisso de somente acumular grãos de terra, de perceber com sonolência a presença das árvores, são os passos que lhe agradecem por fazer-se imóvel presença esguia a ligar horizontes.


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch