Buscar
  • luishborba

E o rio segue

Desde que esticou líquidos olhos para fora da terra, a água escorre.

Antes disso, alimentou-se de solo na constância de uma fome que a curiosidade fez insaciável - apalpando a terra, a água avançou pelo subsolo numa lentidão despreocupada de rumo.

Ao sair, a desconhecida claridade lhe trouxe a cegueira, experimentou o torpor de estar em um mundo jamais imaginado, fustigou-lhe o nunca sentido calor - ferocidade de mil bocas de fogo a lhe pinicarem a líquida pele.

Desorientada, a água soltou-se morro abaixo, na crença ingênua de que escolhia o seu caminho.

Rolou-se pela vegetação, encharcando as folhas com incaláveis palavras molhadas, passou sobre pedras após todos os esforços em levá-las consigo, arrastou pedregulhos com o convincente argumento de força.

A noite não lhe trouxe o descanso de que não necessita - o cansaço não cabe em músculos líquidos -, e, por não necessitar de descanso, desfrutou, na noite do sossego ancestral da escuridão, da liberdade do fogo que lhe fustigava o corpo. E prosseguiu cumprindo uma ordem sentida por todos os aquosos poros de seu líquido corpo: caminhar e caminhar e caminhar.

Um novo dia trouxe a claridade que já não mais cegava, trouxe o calor contra o qual já apenas resmungava.

Insinuando-se pelos caminhos que surgiam, encontrou-se com outras águas e, apegando-se umas às outras, unindo seus líquidos corpos numa cópula interminável, avançaram pelo caminho o enorme volume em que todos os pontos é água.

O rio segue.

E o primeiro e surpreso fio de água já se salgou há muito, já espalhou por grãos de areia seus líquidos ossos, há tempos torrados pelo sol.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch