Buscar
  • luishborba

Bendita seja sua reparação

Uma carriola carregada de mourões novos mostra aos antigos ser chegado o momento da rendição. Fim do tempo em que, perfilados, unem-se uns aos outros por fios de arame farpado um pouco enferrujados, afrouxados pela insistência bovina em lhes testar a tenacidade com golpes de corpo e cabeça.

Apesar de os mourões, depois de tantos anos, manterem ainda os corpos eretos, um homem lhes viu os sinais de cansaço: alguns se inclinam levemente, retesando os arames na silenciosa batalha da cerca para manter-se; outros mostram uma pendular indecisão tão logo um animal neles encoste; outros poucos tiveram as carnes mutiladas, restando-se espectros combalidos a deixarem os arames soltos numa orfandade de apoio.

Os mourões novos desfrutam dos últimos momentos em que, deitados, tocam-se na intimidade nua de suas madeiras expostas. Logo irão se olhar na perenidade de seus dias a viverem enfileirados religiosamente sob um único mandamento: não cairás.

Assim, o homem manipula uma cavadeira, faminta por terra segundo a força e a pressa do homem, alargando o buraco onde o mourão será colocado. Não há outras mãos a ajudá-lo, suas terras são poucas, o número de vacas não preenche os dedos de duas mãos. Mas a fome jamais conheceu aqueles caminhos, a pobreza é palavra que o visita pela boca dos outros.

Pela boca de quem o vê em camisa de manga, botões abertos até a metade do peito, um chapéu gasto dialogando com o sol uma nesga de proteção. Pela boca de quem imagina os calos, das nuas mãos do homem, alimentando-se no cabo da cavadeira por horas a fio, e o suor lhe pedindo que dê ao corpo goles de água, entornados diretamente de uma garrafa térmica. A pobreza o visita no julgamento de quem o vê devolver a terra com os pés nus, após assentar o novo mourão.

Um cão se aproxima da cerca com ganidos de fúria, passa o pescoço pelo arame farpado e se detém. Late, aos passantes, apenas com a cabeça para fora.

O cão sente que, para além da cerca - bendita seja sua reparação -, para além da cerca há o perigo de uma visita que vem pela boca dos outros.


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch