Buscar
  • luishborba

Éden

Há o Silêncio.

Não a ausência de ruído, o oco de reverberações a encher o espaço com o Nada. Há o Silêncio: a voz pausada da Natureza espalhando no ar a anunciação do Tudo; o contínuo som carregado pelo vento quando a voz das gentes se ausenta.

Há o canto dos pássaros, simbiose ancestral com o Silêncio na completude de discursos; na justaposição de conversas, cada um conta de si na serenidade do tempo perpétuo - aos pássaros, à Natureza não há para onde irem, posto que já estão.

Há o Sol e sua prolixa fala de luz e calor, a incansável exibição de si aos mundos enquanto os assiste vagarem ao seu redor na resignação cega de órbitas servis. Às vezes, a falta de domesticação de uma nuvens as coloca na frente do Sol, escondendo-lhe a majestade amarela e criando na terra a escura e muda fala das sombras.

Há o Céu, vestido com a azul convicção da qual não se cansa, levando a cor única de suas vestes até um limite que, uma vez alcançado, estica-se para além e mais além.

Há uma montanha, côncava verdidão a apontar-se ao Céu em dividida reverência, visto alongar as faces de seus costados na direção das terras que a rodeiam.

Em verdade, há muitas montanhas. Há uma fileira delas, ombreadas umas às outras numa monocrômica sequência verde a disputar limites com a azul monocromia do Céu.

As montanhas são um verde mar, crispado em uma turbulenta Era e que, sem aviso ou espera para que se acalmasse, teve suas ondas congeladas.

E agora, desconhecidas da irrelevância do tempo, entregues solenemente ao Tempo, as montanhas, e tudo o mais que resiste, ouvem, dentro da claridade das dias e da escuridão das noites, o Silêncio.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch