Buscar
  • luishborba

O diálogo de pedras e passos

É sempre nas madrugadas que as pedras das calçadas esperam pelos passos da mulher.

Durante os dias, a polifonia de tantos pés cria o exacerbado falatório de pegadas a dizerem e a desdizerem, moldando a impossibilidade de um discurso.

Sob as luzes cheias de preguiça dos postes públicos, na aconchegante maciez do corpo escuro da noite, aguça-se o que as pedras sentem - a lentidão dos passos da mulher são sílabas soletradas na paciência de um ditado.

O hábito orienta o caminho - e, em todas as madrugadas, os passos da mulher se encontram com as mesmas pedras no tranquilizante diálogo de normalidade das coisas. Os pés sabem onde repetir o acento agudo de palavras mal tocadas no chão; sabem modular o tom grave ao soltarem o peso inteiro da mulher numa pisada acentuada; conhecem o lamento de um arrastar de pés, a cravarem nas pedras o grito seco de uma dor cansada.

É sempre nas madrugadas que as pedras das calçadas esperam pelos passos da mulher.

Sem jamais dormir, mas entregues a uma latência displicente, são colocadas em alerta pela reverberação que lhes percorre os corpos assim que a primeira pedra é tocada. Sempre na mesma hora, que não lhes interessa saber; debaixo de chuva forte ou fina, que lhes é indiferente; em época de calor ou de frio, que pouco lhes afeta. Bastam-lhes a religiosidade do diálogo, a constância do encadeamento de frases, a tranquila fala diária dos pés da mulher em meio à desordem de passos atropelados, que trazem o esgotamento por meio de tantas sensações cruzadas. Essa é a única conversa que entendem.

Mas os passos da mulher não mais virão, são agora mudez absoluta de pés mortos.

Presas à eterna vigília em seus corpos perenes, as pedras nada sabem.

E ainda esperam.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que há são esquinas

Quando fala, a voz sai pequena como o seu corpo - os braços numa timidez de antebraços; os dedos ainda na infância e ele já velho; as pernas que não levam o tronco muito longe do chão. Tudo nele é com

Saber as horas insípidas

Todos os dias, bem cedo, a filha o coloca sentado na porta de casa. Antes de sentá-lo, ajeita a cadeira na calçada, conferindo sempre de duas a três vezes sua posição, sua firmeza. Coloca-o sentado nu

Tudo (quase) como sempre

A manhã bateu, como sempre, pancadas de débil luz na janela do quarto. Levantei-me devagar, como de costume, para não te acordar. Lembrei-me. Olhei o seu lado da cama, e o travesseiro intacto, a colch