30 May 2016

         Pai e filho ajeitam um, dois latões de leite na carroça. O menino levantou-se faz pouco tempo, saiu da casa esfregando os olhos como se a escuridão o incomodasse, ouviu o grito do pai a chamá-lo e não teve tempo de esboçar um bocejo antes de sair correndo na d...

30 May 2016

         A luz acesa na cozinha é aviso da presença humana tanto quanto o cheiro de café.

         A madrugada, que ainda cai sobre o mundo, está com os minutos contados, resta-lhe não mais do que meia hora - mas ela ainda não o pressente. Há de se l...

30 May 2016

         Uma carriola carregada de mourões novos mostra aos antigos ser chegado o momento da rendição. Fim do tempo em que, perfilados, unem-se uns aos outros por fios de arame farpado um pouco enferrujados, afrouxados pela insistência bovina em lhes testar a tenacidad...

30 May 2016

         Há o Silêncio.

         Não a ausência de ruído, o oco de reverberações a encher o espaço com o Nada. Há o Silêncio: a voz pausada da Natureza espalhando no ar a anunciação do Tudo; o contínuo som carregado pelo vento quando a voz das gentes...

2 May 2016

         O ambiente é um pouco escuro, um vitrô no alto, quase rente ao teto, deixa uma claridade envergonhada entrar. Há uma luminária com luz fluorescente sobre uma mesa de madeira. Tantos sulcos, rachaduras, cicatrizes no corpo da mesa parecem contar histórias de to...

2 May 2016

         Talvez a soleira da porta dessa loja fechada seja a cadeira disponível em uma mesa ausente, apesar de estreita para dar conforto ao homem que senta-se ali.

         Talvez a porta metálica que cerra a loja seja o espaldar dessa cadeira desco...

Please reload

BLOG

Please reload

© 2023 By Henry Cooper. Proudly created with Wix.com